Witzel processa candidato do PT que o chamou de ‘facínora’ e ‘chacineiro’

Publicação de Mondego criticava Witzel e seu vice, Cláudio Castro, que assumiu o cargo quando o então governador do RJ foi cassado (REUTERS/Pilar Olivares)
Publicação de Mondego criticava Witzel e seu vice, Cláudio Castro, que assumiu o cargo quando o então governador do RJ foi cassado

(REUTERS/Pilar Olivares)

  • Wilson Witzel (PMB) abre processo contra Rodrigo Mondego (PT), candidato a deputado estadual;

  • Ex-governador acusa Mondego de calúnia, difamação e injúria;

  • Tuíte que o chamava de “facínora” e “chacineiro” motivou a ação.

O candidato ao governo do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PMB), acionou a Justiça Eleitoral contra Rodrigo Mondego, candidato a deputado estadual pelo PT, por conta de um tuíte que o chama de “facínora” e “chacineiro”. Segundo o ex-governador, a acusação é “inverídica” e trata-se de um caso de calúnia, difamação e injúria.

"O fato é que o tweet do candidato do PT se constitui como crime, uma vez que atribui um injusto penal a Wilson Witzel em uma rede social. Outrossim, o classifica como assassino, caracterizando-o de maneira vil", reclama Witzel.

A publicação foi feita em 30 de julho e criticava o ex-governador e seu vice, Cláudio Castro, que assumiu o cargo e agora concorre à reeleição. "Wilson Witzel acaba de ser confirmado como candidato a governador do Partido da Mulher Brasileira. É um escárnio tudo, desde a confirmação até a escolha do partido. Ele e seu ex vice Castro são facínoras chacineiros, os dois piores governadores da história concorrendo entre si", afirmou Mondego, na época.

Com a abertura do processo, o candidato a deputado ironizou Witzel e reforçou seu posicionamento contrário a ele e a Castro. “URGENTE O Wilson Witzel e o partido dele, PMN, estão me processando por chamá-lo de CHACINEIRO. Ele se elegeu dizendo que daria tiro na cabecinha, chamou morte de crianças de efeito colateral e abriu o governo com a chacina do Fallet. Ele e o Castro são CHACINEIROS sim!”.

Wilson Witzel foi cassado em 2021 por irregularidades em contratos durante a pandemia de Covid-19. Ele concorre novamente ao cargo neste ano.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: