Witzel quer prolongar prazo para privatizar Cedae e para começar a pagar dívidas com União

Paulo Cappelli
Wilson Witzel: governador recebeu jornalistas na manhã desta terça-feira no Palácio Guanabara

RIO — O governador Wilson Witzel quer levar ao Congresso uma proposta para prolongar, por um prazo de dez anos, o início do pagamento da dívida com a União. Pelo Regime de Recuperação Fiscal, o estado teria que voltar a pagar o que deve em setembro do ano que vem, após três anos de alívio financeiro, mas, segundo Witzel, o Rio não terá dinheiro em caixa para arcar com os cerca de R$ 6 bilhões previstos para 2020. A declaração foi dada durante um café da manhã com jornalistas no Palácio Guanabara.

— A proposta é prolongar a dívida em dez anos e será levada ao Legislativo no início do ano. Proposta inicial de pagar 10% no primeiro ano e, depois, aumentar 10% ano a ano. O Regime de Recuperação Fiscal ajudou o Rio, mas deixou uma grande responsabilidade para governos futuros. Valores que não são possíveis de serem pagos. A receita não vai ser suficiente em 2020 — disse Witzel, afirmando que já conversou com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), para que o projeto seja votado no início do ano que vem.

Segundo Witzel, um pedido de alteração no prazo para a venda da Cedae também será encaminhado ao ministro da Fazenda, Paulo Guedes.

— Queremos prolongar o prazo, previsto no Regime de Recuperação Fiscal para agosto, por mais seis meses. E fazer a divisão do pagamento em duas partes ao banco BNP Paribás. A venda de estatais a toque de caixa tem que ser revista. Com o PL do Saneamento (que pode estabelecer novo marco regulatória para o setor) em votação no Congresso, o valor da Cedae poderá chegar a R$ 20 bilhões, se tivermos mais tempo para atrair investidores. Se fizermos a venda ou concessão em agosto, a previsão é de arrecadarmos R$ 11 bilhões — disse Witzel.

De acordo com ele,