Witzel volta a criticar declarações de Bolsonaro sobre atuação de governadores: 'opinião que não resiste a um embasamento científico'

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, voltou a usar sua conta oficial no Twitter para criticar a postura do presidente Jair Bolsonaro diante da pandemia do novo coronavírus. Nesta manhã, o presidente acusou, sem provas, governadores de desviarem recursos destinados para o combate à Covid-19 e também colocou em dúvida o número de mortes registradas pelos estados. Para Witzel, as declarações "são sempre discursos raivosos contra algo ou alguém".

"Todo dia acordamos com esse pesadelo matinal que é a aparição do presidente Jair Bolsonaro diante da imprensa, em Brasília. Nenhum dia assistimos a qualquer ato de humildade do presidente, qualquer ato de boas intenções ou declarações que tranquilizem os brasileiros. São sempre discursos raivosos contra algo ou alguém. Para o presidente tudo é pessoal. Não é possível que até agora ele continue afirmando que o isolamento social não gerou resultados, numa opinião que não resiste a um embasamento científico, à avaliação de um especialista", ressaltou.

Witzel ainda criticou a maneira como Bolsonaro lida com os profissionais de imprensa quando concede rápidas entrevistas em Brasília.

"A imprensa sofre. Hoje de manhã um jornalista foi humilhado várias vezes pelo presidente, com gritos e grosserias. A imprensa é livre. Se não quer responder, não responda. Mas tenha um mínimo de educação com os profissionais, que estão trabalhando", escreveu o governador.

Na quarta-feira, Witzel também usou o Twitter para rebater outra fala do presidente sobre as mortes causadas pelo coronavírus no país. Questionado na noite de terça-feira sobre o fato de o Brasil ter ultrapassado o número de vítimas da China, o presidente respondeu "E daí? Quer que eu faça o que? Sou Messias mas não faço milagre". Para Witzel, a fala é "inaceitável".

O governador escreveu que "é inaceitável o pouco caso com que o presidente sempre tratou a pandemia e as mortes. Ele não demonstra nenhuma solidariedade com as famílias que estão perdendo as pessoas que mais amam. O presidente nunca deu à pandemia a importância que ela merece. Em vez de ser o líder das ações de saúde e de economia, sempre tomou para si o papel de criar crises e mais crises".

Wilson Witzel testou ainda positivo para Covid-19 em um novo exame realizado na última sexta-feira, dia 24. Segundo o boletim médico divulgado pelo Núcleo de Imprensa, na manhã desta quinta-feira, o estado de saúde é bom e ele continua trabalhando normalmente do Palácio Laranjeiras, sua residência oficial, seguindo orientações médicas e cumprindo as regras de isolamento social. Ele irá passar por uma tomografia neste fim semana.

O governador informou, pelas redes sociais, que estava com coronavírus no dia 14 de abril. Desde então, ele segue com suas atividades em quarentena. Além de Witzel, o secretário estadual de saúde, Edmar Santos, testou positivo para a Covid-19, mas já confirmou que está recuperado. Outro afetado pela doença foi o secretário estadual de Defesa Civil, Roberto Robadey.