WTA ameaça torneios na China por desaparecimento de tenista

·2 min de leitura
DUBAI, UNITED ARAB EMIRATES - FEBRUARY 19:  Shuai Peng of China plays a backhand in her match against Elena Vesnina of Russia during day one of the WTA Dubai Duty Free Tennis Championship at the Dubai Tennis Stadium on February 19, 2018 in Dubai, United Arab Emirates.  (Photo by Francois Nel/Getty Images)
Shuai Peng revelou que o ex-vice-primeiro ministro, Zhang Gaoli, a forçou a fazer sexo. Foto: (Francois Nel/Getty Images)

A Associação de Tênis Feminino (WTA) indicou que pode deixar de realizar torneios na China por causa do sumiço de Shuai Peng, tenista ex-número 1 do mundo que revelou que o ex-vice-primeiro ministro, Zhang Gaoli, a forçou a fazer sexo. 

A ONU, inclusive, pediu esclarecimentos ao governo chinês quanto ao paradeiro de Peng. Liz Throssell, porta-voz de uma comissão da entidade, relatou que: "Seria importante ter provas sobre o local em que ela está e saber se está bem. Pedimos a abertura de uma investigação transparente sobre alegações de agressão sexual".

Leia também:

Shuai Peng está desaparecida desde que fez a acusação na rede social Weibo, único microblog permitido no país asiático, conhecido por muitos como o “Twitter chinês”. Minutos após a publicação, o post acabou censurado e retirado do ar.

Atletas como Serena Williams, Naomi Osaka e Novak Djokovic também manifestaram preocupação com a tenista chinesa. Serena disse estar devastada e chocada com as informações recebidas sobre a situação de sua colega. Osaka compartilhou que foi informada do desaparecimento de Shuai e que espera que ela esteja bem. Já Djokovic demonstrou surpresa com o caso e prestou votos que a tenista seja encontrada.

O Governo da China ainda não comentou o fato, além de bloquear discussões sobre a denúncia na internet do país. Líderes de grandes nações, como o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, consideram um boicote diplomático às Olimpíadas de Inverno de 2022, que serão realizadas na China.

Steve Simon, presidente da WTA, disse em entrevista à CNN que: "Continuamos a pedir provas independentes e verificáveis ​​de que Shuai Peng está a salvo e que sua alegação de agressão sexual será investigada de forma completa, justa e sem censura. Do contrário, a WTA está preparada para fazer o que é certo".

Desde 2019, a China tem sido palco de inúmeros eventos da WTA. As premiações das competições ultrapassam os R$ 160 milhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos