Xangai endurece lockdown para evitar novos casos de covid-19

Trabalhadores vestindo trajes de proteção atendem um cliente em um caixa de supermercado reaberto Foto: China Daily via REUTERS)
Trabalhadores vestindo trajes de proteção atendem um cliente em um caixa de supermercado reaberto Foto: China Daily via REUTERS)
  • Xangai endurece lockdown para evitar novos casos de covid-19

  • Quarentena rígida na região já dura mais de um mês

  • Moradores devem ficar em casa e fazer um “período de silêncio”, que valerá pelo menos até quarta (11)

Autoridades de Xangai, na China, voltaram a reforçar nesta segunda-feira (9) as medidas de restrições para combater a covid-19. O lockdown na região já dura mais de um mês.

A partir de agora, após os avisos emitidos em vários distritos, os moradores devem ficar em casa e estão impedidos de receber entregas não essenciais. Isso faz parte de um “período de silêncio” que valerá pelo menos até quarta (11).

Além disso, segundo a agência de notícias Associated Press (AP), as medidas mais rígidas podem ser estendidas, dependendo dos resultados dos testes em massa.

Não ficou claro o que motivou o novo aperto das medidas, pois o número de novos casos está caindo. Nas últimas 24 horas, Xangai registrou 3.947 casos, quase todos assintomáticos, além de onze mortes.

Com a queda constante nos últimos dias, as autoridades estavam gradualmente suspendendo o lockdown que fez com que 25 milhões de pessoas ficassem confinadas.

Quando o número de diagnósticos positivos na cidade avançou, milhares de pessoas foram forçadas a entrar em centros de quarentena centralizados por apresentarem resultado de teste positivo ou simplesmente por terem tido contato com uma pessoa infectada.

Dois moradores de Xangai, que foram contatados pelas mídias sociais, disseram que não receberam aviso prévio das novas restrições.

“Não estamos preparados”, disse Zhang Chen, pesquisador de uma empresa de tecnologia. “Não sei o que acontecerá em maio, mas acho que precisarei de ajuda psicológica após o bloqueio.”

“Sempre dizem que o lockdown será afrouxado depois de alguns dias, mas parece não ter fim”, falou uma mulher que pediu para não ser identificada.

"Parece guerra"

No final de abril, a DJ e influenciadora Luana Pinho, de 34 anos, que mora em Xangai, conversou com o jornal O Globo e contou que estava há 32 dias sem sair de casa por conta da quarentena imposta pelo governo chinês para evitar o contágio pela covid-19.

“Xangai parece uma cidade em guerra, mas sem armas. O que estamos passando daria uma ótima série ou filme de Hollywood. Com três doses de vacina, estamos presos em casa”, relatou.

*Com informações da Associated Press (AP)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos