Xarope infantil que causou a morte de 66 crianças na Gâmbia pode estar circulando no mundo, alerta OMS

AP - Martial Trezzina

A Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu nesta quarta-feira (5) um alerta sobre quatro xaropes para tosse e resfriado produzidos pelo laboratório indiano Maiden Pharmaceuticals, que podem ter causado a morte de 66 crianças na Gâmbia. Os quatro remédios foram identificados na Gâmbia, mas podem ter sido distribuídos em outras partes da África através do comércio informal.

O alerta foi anunciado pelo diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante sua coletiva de imprensa semanal. Os remédios contaminados são xaropes para a tosse e resfriado que "podem estar relacionados à lesão renal aguda e à morte de 66 crianças", apontou.

Os medicamentos em questão são Promethazine Oral Solution, Kofexmalin Baby Cough Syrup, Makoff Baby Cough Syrup e Magrip N Cold Syrup. Todos são fabricados pela mesma empresa: Maiden Pharmaceuticals Limited.

"Além disso, o fabricante poderia ter usado o mesmo material contaminado em outros produtos e distribuído localmente ou exportado. Portanto, há um risco global", alertou a OMS.

A organização está realizando uma investigação com a empresa e as autoridades reguladoras na Índia, especificou Tedros. No documento técnico do alerta, a entidade indicou que "a análise em laboratório de amostras de cada um dos produtos confirma a contaminação com dietilenoglicol e etilenoglicol em quantidades inaceitáveis".

Ambas são substâncias tóxicas e podem ser fatais. Segundo a OMS, os efeitos tóxicos incluem dor abdominal, vômitos, diarreia, incapacidade de urinar, dores de cabeça, estado mental alterado e lesão renal aguda que pode causar a morte. Como medida de precaução, o organismo das Nações Unidas recomenda que todos os países retirem esses medicamentos de circulação.

Recall na Gâmbia


Leia mais em RFI

Leia também:
Uganda registra primeira morte pelo vírus Ebola desde 2019
Surto de varíola dos macacos diminui na Europa e doença pode ser eliminada no continente, diz OMS
Estudo inédito revela que todos os rios do mundo estão contaminados por resíduos de medicamentos