Em conversa com Biden, Xi alerta contra "brincar com fogo" sobre Taiwan

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Presidente dos EUA, Joe Biden, conversa virtualmente com o líder chinês, Xi Jinping, na Casa Branca, em Washington, EUA
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente da China, Xi Jinping, realizaram uma quinta ligação como líderes de seus países nesta quinta-feira, e Xi alertou contra "brincar com fogo" em relação a Taiwan, à medida que aumentam as preocupações sobre uma possível visita à ilha, reivindicada pela China, da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi.

A mídia estatal chinesa relatou que Xi disse a Biden que os Estados Unidos devem respeitar o "princípio de uma só China" e enfatizou que o país se opõe firmemente à independência de Taiwan e à interferência de forças externas.

Pequim emitiu alertas crescentes sobre as repercussões caso Pelosi, que assim como Biden é do Partido Democrata, visite Taiwan, uma medida que seria uma demonstração dramática, embora não sem precedentes, de apoio dos EUA à ilha, que diz estar enfrentando crescentes ameaças militares e econômicas da China.

"Aqueles que brincam com fogo só se queimam", disse Xi a Biden, segundo a mídia estatal chinesa. "Nós esperamos que o lado dos EUA possa ver isso claramente."

A Casa Branca disse que a ligação durou mais de duas horas. Autoridades dos EUA disseram que a conversa teria uma agenda ampla, incluindo a discussão sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, que a China ainda não condenou.

Em sua essência, porém, autoridades dos EUA disseram que viam o diálogo como outra chance de gerenciar a competição entre as duas maiores economias do mundo, cujos laços têm sido cada vez mais afetados pelas tensões sobre Taiwan, que Xi prometeu anexar à força à China continental, se necessário.

Washington não tem relações oficiais com Taiwan e segue a "política de uma só China" que reconhece Pequim, não Taipé, diplomaticamente. Mas os EUA são obrigados por lei a fornecer à ilha os meios para se defender, e a pressão no Congresso dos EUA vem aumentando por um apoio mais explícito.

(Reportagem de Ryan Woo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos