Xiomara Castro pode encerrar controle de dois partidos em Honduras na eleição de domingo

·1 min de leitura
Xiomara Castro durante ato de campanha em San Pedro Sula

Por Gustavo Palencia

TEGUCIGALPA (Reuters) - Franca favorita na eleição presidencial de Honduras, a candidata de esquerda Xiomara Castro ganhou destaque na política quando seu marido, o ex-presidente Manuel Zelaya, foi deposto por um golpe militar em 2009.

Deixando de lado o papel tradicional de esposa de presidente, ela liderou um grande movimento de protesto, moldando sua personalidade pública em discursos a milhares de apoiadores.

Embora o movimento não tenha alcançado o objetivo de reconduzir seu marido ao cargo, deu origem ao Partido Liberdade e Refundação (Libre), que agora coloca a Presidência ao seu alcance.

Favorita nas pesquisas de opinião, ela poderia encerrar um controle de dois partidos já antigo em Honduras, governada pelo Partido Nacional e o Partido Liberal há mais de 100 anos, e também seria a primeira mulher presidente do país.

Em 2013, Castro perdeu sua primeira disputa presidencial para o atual presidente, Juan Orlando Hernández, do Partido Nacional, com uma plataforma bem à esquerda daquela do candidato do Partido Liberal.

"Acredito firmemente que o socialismo democrático que proponho é a solução para tirar Honduras do abismo em que fomos enterrados pelo neoliberalismo, um narcoditador e a corrupção", disse Castro em um discurso de campanha.

Hernández enfrenta acusações de envolvimento com o tráfico de drogas, que nega com frequência.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos