Elana relembra xenofobia e ataques de ódio pós BBB: "As pessoas me mandavam estudar"

Ex-BBB19 e recém-finalista da nova edição de 'No Limite', Elana Valenaria já sentia em 2019 os efeitos dos haters e da onda de ódio que marcaram o 'BBB21' e a trajetória de Juliette. Em papo com o Yahoo Entrevista, a ex-sister explicou que começou a cuidar da saúde mental para não sucumbir aos haters, e que investiou na terapia após sua participação em 'No Limite'.

"Comecei a fazer terapia agora, e só comecei porque tive crises de ansiedade mas não queria aceitar. Eu nunca nem falei sobre isso. Acho super importante, aconselho as pessoas a fazerem. Comecei a fazer depois do No Limite, porque não adianta, a mente é o comando de tudo. Quando eu vejo uma crítica na internet, a questão é: posso ter mil comentários positivos, mas se rola um negativo, fico presa nisso e absorvo. Tem que se cuidar muito", explicou.

Leia também:

Piauiense, Elana afirmou que sentiu muita xenofobia após sua participação no 'BBB19', e que chegou a ouvir que precisava voltar a estudar por causa de seu sotaque.

"Essa questão de xenofobia, eu senti bastante. Quando eu caí nesse mundo pós BBB, eu sentia umas frases, piadinhas, "brincadeiras". Tipo nossa, o Piaui é abastecido como, carro pipa pra vocês beberem água? As pessoas falam pra eu fazer fono por causa do meu sotaque. Eu ficava preocupada que estava falando errado, sabe? O que mais me deixou com medo foi isso, porque as pessoas me mandavam estudar, diziam que meu sotaque era feio. Eu treinava 3 vezes antes pra gravar uns stories. As pessoas vêm o nordestino como uma pessoa folclórica, como se os sotaques fossem todos iguais", reclamou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos