Yashin, Eusébio, Charlton: relembre lendas enfrentadas por Pelé em Copas do Mundo

Tricampeão do mundo e dono de quatro participações em Mundiais, Pelé registrou um histórico de encontros com outras grandes lendas do futebol mundial: o português Eusébio, o inglês Bobby Charlton e o goleiro soviético Lev Yashin, por exemplo. Na despedida do Rei, morto nesta quinta-feira, aos 82 anos, o GLOBO relembra as vezes em que o brasileiro encarou nomes do futebol que foram eternizados nas páginas históricas do esporte.

Ao contrário do que se acredita, Pelé nunca enfrentou Maradona em campo: os dois eternos rivais só trocaram farpas fora deles, mas viveram momentos diferentes da história do futebol. Cruyff e Di Stéfano, por outro lado, encararam o Rei, mas não no Mundial: em duelos do Santos contra Barcelona e Real Madrid, respectivamente.

No principal torneio de futebol do mundo, Pelé encarou o lendário goleiro soviético em sua primeira Copa do Mundo, em 1958. Na última, em 1970, duelou contra o italiano Facchetti e contra o peruano Teófilo Cubillas. Nos duelos listados aqui, perdeu apenas um: contra Portugal de Eusébio, na Copa de 1966

No terceiro confronto da seleção naquele mundial, a dupla Pelé e Garrincha começava a dar o ar da graça. Mas quem brilhou contra o "Aranha Negra", como era conhecido o goleiro soviético, foi Vavá, autor dos dois gols. Um deles, em tabela com Pelé — que chegou a acertar a trave.

No mesmo Mundial, em semifinal contra a França do talentoso meio-campista e aquele que seria o maior artilheiro de uma única edição de Copa do Mundo (até hoje, com 13 gols). Em jogo muito movimentado. Vavá abriu o placar e Fontaine empatou com passe de Kopa. Didi desempataria a partida e Pelé apareceria em alta: o jovem de 17 anos marcou três vezes. Na terceira delas, em lindo passe de Didi dominado no peito. Piantoni diminuiria.

Talvez o capítulo mais triste de Pelé em Copas depois da lesão no Mundial anterior. O Brasil, que vinha de campanha errática naquele Mundial, foi dominado por Portugal do craque Eusébio, que marcou um duas vezes e eliminou a Amarelinha ainda na fase de grupos. Rildo marcou o gol brasileiro.

Pelé enfrentou um elenco estrelado da Inglaterra, que havia sido campeão mundial na Copa anterior, em casa. O jogo ficou marcado pela icônica defesa de Banks, que evitou de forma antológica o que seria um lindo gol do Rei de cabeça. No fim, a seleção que seria tri do mundo despachou os ingleses com gol de Jairzinho, assistido por Pelé.

Pelé enfrentou outro craque sul-americano nas quartas da competição. Em bom jogo do Rei, que não marcou, o Brasil venceu com atuação brilhante de Tostão, autor de dois gols. Cubillas chegou a diminuir a partida para 3 a 2 no segundo tempo, mas os brasileiros fizeram o quarto com Jairzinho.

A histórica final contra a Itália teve um duelo entre Pelé e o lendário zagueiro que marcou época com a Inter de Milão e da azzurra. Não deu para o defensor: o Brasil dominou os italianos de forma histórica. Pelé fez o primeiro, de cabeça, e deu o passe cinematográfico para o "Capita" Carlos Alberto TOorres fechar o placar.