Calote da dívida causaria dano "irreparável" aos EUA, volta a alertar Yellen

·2 minuto de leitura
A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen

(Reuters) - A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, concordou nesta quinta-feira que qualquer calote da dívida dos EUA causaria danos irreparáveis, bem como uma crise financeira e recessão.

Questionada por um membro do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara se o dano causado pelo não cumprimento das obrigações de dívida do governo federal seria "irreparável", Yellen respondeu: "Sim".

Seus comentários foram os mais recentes de uma série de advertências que Yellen tem emitido, conforme o Congresso dos EUA permanece num impasse em torno da questão de levantar ou suspender o limite da dívida, em meio ainda a disputas sobre a agenda legislativa da maioria democrata e do governo Biden.

Yellen disse que o governo ficará sem dinheiro por volta de 18 de outubro, a menos que o Congresso aumente o limite da dívida federal, atualmente de 28,4 trilhões de dólares. Após essa data, o Tesouro estaria "simplesmente em uma situação impossível", disse ela durante apresentação perante o comitê nesta quinta-feira.

"Não seremos capazes de pagar todas as contas do governo", completou.

O teto da dívida voltou a entrar em vigor em agosto, após uma suspensão de dois anos, e o Departamento do Tesouro tem empregado "medidas extraordinárias" para financiar o governo desde então.

Yellen, no início desta semana, disse aos parlamentares que essas medidas se esgotarão em meados de outubro, antes do que a maioria dos analistas esperava, e, depois disso o país não terá fundos suficientes para cumprir todas as suas obrigações, que vão desde pagamentos da Previdência Social a pagamentos de juros sobre os Treasuries.

Deixar de cumprir essas obrigações marcaria o primeiro calote dos EUA, que Yellen disse repetidamente que seria "uma catástrofe".

"Provavelmente acabaremos em uma crise financeira, certamente uma recessão", disse Yellen ao Comitê da Câmara nesta quinta-feira. Também teria "consequências mais duradouras de juros mais altos para todos que tomam empréstimos".

Isso porque a classificação de crédito dos EUA certamente seria rebaixada, e os credores internacionais --que há muito procuram a dívida do Tesouro norte-americano devido à credibilidade do governo dos EUA-- não veriam mais esses títulos como "livres de risco". Isso tornaria mais caro para o governo federal --e todos os outros-- tomar empréstimos.

O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, disse que a capacidade do banco central dos EUA de conter as consequências de tal evento é limitada.

"Ninguém presuma que podemos realmente fazer muito", disse Powell aos parlamentares nesta quinta-feira. "Ninguém deve presumir que o Federal Reserve ou qualquer outra pessoa pode proteger o povo norte-americano das consequências disso."

(Por Dan Burns)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos