New York Times divulga vídeo em defesa da Amazônia e diz que eleição é ‘dia mais importante para sobrevivência do planeta’

O jornal americano New York Times (NYT) divulgou nesta quina-feira um vídeo em defesa da Amazônia e afirmou que o dia da eleição é o "mais importante para a sobrevivência do planeta". A publicação começa mostrando as dimensões da floresta e os riscos aos quais o território está sujeito atualmente. Em seguida, apresenta um histórico do que os dois candidatos à presidência fizeram em seus governos e suas propostas.

Últimos dias: Bolsonaro inicia maratona na Baixada no município do novo aliado de Lula

Pulso: Pesquisas eleitorais no segundo turno têm histórico de menor diferença com resultado das urnas

De acordo com o vídeo de pouco mais de seis minutos, a Amazônia equivale a dez vezes o tamanho da França e as fazendas da América são irrigadas pelas chuvas da região. São cerca de 390 bilhões de árvores e o corte delas reduz bilhões de toneladas de gás carbônico, os quais atingem a atmosfera e, consequentemente, a população. "Basicamente, estamos todos cozinhando", diz a reportagem.

A edição classifica os atuais candidatos como "insanamente falhos", mas pondera a posição de ambos em relação ao tema.

Sobre o atual mandatário Jair Bolsonaro (PL), resgatam vídeos antigos nos quais o presidente afirma que o desenvolvimento virá em primeiro lugar (em relação ao meio-ambiente). O jornal afirma, ainda, que a elite do agronegócio o adora, especialmente depois que ele permitiu a exploração sem fiscalização na floresta. "Agora, o Brasil tem um sistema que capta em tempo real o corte de árvores, mas 98% não são investigados porque Bolsonaro acabou com a agência responsável por isso".

O NYT também alerta que, caso reeleito, há risco de a PL 2633 ser aprovada, o que considera "a última conta para a destruição da Amazônia", pois a mesma daria terras desmatadas ilegalmente aos criminosos que a roubaram. Alguns podem dizer que a terra já foi roubada, diz a publicação, mas não é apenas um perdão do que já passou, mas permissão para novos crimes.

Mais: Prisão de Jefferson mostra lado 'fragilizado do bolsonarismo selvagem', analisa neurocientista

Em relação ao ex-presidente e concorrente à cadeira presidencial Luiz Inácio Lula da Silva, o NYT sublinha que na sua gestão, nos anos 2000, houve um plano agressivo para salvar a floresta Amazônica. Segundo eles, foram criadas novas áreas de conservação com um território maior do que o equivalente ao Reino Unido, novas leis de proteção e foram cobrados bilhões de multas, além ter sido inventado um novo sistema de satélite de monitoramento, o qual Bolsonaro depois ignorou.

Saiba como assistir: Veja horários e datas do debate da Globo para governador e presidente

Por outro lado, lembra o NYT, houve a recessão no governo petista e um escândalo de corrupção que mandou Lula para a cadeia por alguns anos. Enquanto isso, o desmatamento começou a subir e não parou.

"E então veio Bolsonaro, terras indigenas foram roubadas, ativistas mortos e pelo menos 18 árvores derrubadas a cada segundo e uma área maior do que a Irlanda do Norte se perdeu para sempre", conclui o vídeo, afirmando que "todos precisam de um presidente brasileiro que não vai queimar tudo.