“Estou de volta”: Trump retorna ao YouTube e Facebook após dois anos de suspensão

Donald Trump

(Reuters) - O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump postou no YouTube e no Facebook nesta sexta-feira, em um retorno às plataformas que usou para impulsionar sua ascensão política até ser suspenso após o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio por seus apoiadores.

As publicações em sua página no Facebook e canal no YouTube, intituladas "ESTOU DE VOLTA!", Mostram um vídeo da CNN anunciando a eleição de Trump como presidente na disputa de 2016 contra Hillary Clinton. Em seguida, ele desaparece para uma tela “Trump 2024”.

“Desculpe por deixar vocês esperando", diz Trump no vídeo.

O YouTube, da Alphabet Inc, restaurou o canal de Trump mais cedo nesta sexta-feira. A Meta Platforms restabeleceu as contas do ex-presidente no Facebook e Instagram anteriormente neste ano, enquanto sua conta no Twitter foi restaurada em novembro pelo novo dono Elon Musk, embora Trump ainda não tenha publicado por lá desde a volta.

Trump impulsionou sua improvável campanha presidencial de 2016 por meio do uso das redes sociais. Seu retorno lhe dá acesso a veículos importantes para arrecadação de verbas para campanha política, permitindo que ele alcance 146 milhões de seguidores combinados em três grandes plataformas de tecnologia enquanto faz outra corrida à Casa Branca em 2024.

"Nós avaliamos cuidadosamente o risco contínuo de violência no mundo real, enquanto equilibramos a chance de os eleitores ouvirem igualmente os principais candidatos nacionais na corrida para uma eleição", disse o YouTube em um tuíte, referindo-se à decisão.

A equipe de campanha de Trump não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O ex-presidente dos EUA fundou sua própria plataforma de mídia social chamada Truth Social no final de 2021, na qual contou para se comunicar com seus apoiadores durante sua proibição do Twitter e da Meta.

O YouTube baniu Trump em 2021 por violar sua política de incitar a violência depois que seus apoiadores invadiram o Capitólio dos Estados Unidos quando o Congresso começou a certificar a vitória de Joe Biden na eleição presidencial.

Críticos à volta de Trump às plataformas apontam para as suas mensagens no Truth Social, onde ele tem quase 5 milhões de seguidores, como prova de que ainda existe o mesmo risco que levou às suas suspensões.

(Reportagem de Shubham Kalii, Chavi Mehta e Eva Mathews em Bengaluru e Sheila Dang em Dallas)