'Zambelli apontou a arma na minha cara', diz advogado que estava em bar

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O advogado João Guilherme Desenzi, presidente estadual da juventude socialista do PDT, diz à reportagem que a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) apontou uma arma para a cara dele dentro de um bar onde ocorreu uma confusão na tarde deste sábado (29), em São Paulo.

A parlamentar sacou uma arma após uma discussão, e gerou correria no cruzamento das alamedas Joaquim Eugênio de Lima e Lorena. Em vídeo que circula nas redes sociais, um rapaz aparece correndo em direção ao bar enquanto Zambelli e alguns homens aparecem em perseguição. Um deles grita: "Deita no chão, vagabundo".

Desenzi diz que ouviu dois disparos de arma de fogo vindos da rua. Logo depois, o homem perseguido entrou no estabelecimento para se proteger, seguido por Zambelli, que também gritou: "Deita no chão".

"Quando ela entra no bar armada, um monte de gente sai correndo. Eu fiquei encurralado entre duas mesas", diz o advogado. As outras pessoas dentro do bar também gritavam, pedindo que a parlamentar saísse dali.

"Na hora que ela aponta a arma para ele [homem perseguido], ela aponta para a minha cara também. Eu estava usando uma camiseta [com os números] 12+1", afirma o advogado. "E depois voltou a apontar a arma para o homem".

Segundo Desenzi, Zambelli estava acompanhada de dois homens. "Um deles chegou a dar tapas no rapaz perseguido", segue o advogado.

Um dos homens que acompanhava Zabelli puxou Desenzi para fora do bar. "Com medo, eu sai com as mão para o alto, e ela continuou gritando [dentro do bar]", afirma.

Depois da confusão, Dezenzi diz que que o rapaz perseguido foi embora fazendo o gesto do "L" com as mãos, em referência ao ex-presidente Lula (PT).

"A Zambelli disse: 'Não vou te prender hoje pois ninguém pode ser preso. Mas não fica me provocando que eu vou te catar", segue o advogado. Ele diz que vai registrar um Boletim de Ocorrência.

Nas suas redes sociais, Zambelli disse ter sido cercada por apoiadores de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que a teriam empurrado e feito com que caísse no chão. Segundo a deputada, eles também teriam cuspido e xingado ela.

No entanto, um vídeo mostra que ela não foi empurrada, mas sim caiu sozinha. Zambelli então se levantou e correu atrás do homem.