Zelensky diz que defendeu sanções à Rússia em conversa com Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro conversou na manhã desta segunda-feira com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Em uma publicação no Twitter, Zelensky afirmou que defendeu a necessidade de sanções contra a Rússia.

"Informei sobre a situação no front. Discutimos a importância de retomarmos a exportação de grãos da Ucrânia para impedir uma crise global de comida provocada pela Rússia. Eu apelei para todos os parceiros apoiarem as sanções contra o agressor", escreveu Zelensky.

Bolsonaro ainda não se pronunciou sobre o telefonema. Na semana passada, ele havia dito que ia apresentar uma "solução" para o fim do conflito.

Desde o início da guerra, em fevereiro, Bolsonaro tem defendido uma posição de "neutralidade". Nas últimas semanas, o presidente também passou a repetir que as sanções impostas contra a Rússia pelos EUA e seus aliados europeus não funcionaram.

Tradicionalmente, o Brasil adere apenas a sanções impostas pela ONU. Como a Rússia é membro permanente do Conselho de Segurança, tem o poder de barrar qualquer tentativa de sancioná-la pela invasão do país vizinho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos