Zelenskiy exige defesa mais firme do corredor de exportação de grãos da Ucrânia

Imagem de arquivo: embarcações comerciais, algumas delas que fazem parte do acordo do Mar Negro, aguardam para atravessar o Estreito de Bósforo

Por Pavel Polityuk e Jonathan Landay

KIEV/MYKOLAIV, UCRÂNIA (Reuters) - Uma defesa de longo prazo é necessária para o corredor de exportação de grãos da Ucrânia e o mundo deve responder com firmeza a qualquer tentativa russa de interrompê-lo, disse o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, enquanto mais navios estavam sendo carregados apesar de Moscou suspender sua participação em um acordo mediado pela ONU.

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, se retirou do acordo no fim de semana, dizendo que não poderia garantir a segurança de navios civis por causa de um ataque à sua frota do Mar Negro.

Em um discurso em vídeo na noite de terça-feira, Zelenskiy disse que os navios estavam saindo dos portos ucranianos com cargas graças ao trabalho da Turquia e da Organização das Nações Unidas, os dois principais intermediários do acordo de exportação de grãos de 22 de julho.

"Mas é necessária uma defesa confiável e de longo prazo para o corredor de grãos", disse Zelenskiy.

"A Rússia deve estar claramente ciente de que receberá uma resposta dura do mundo a quaisquer medidas para interromper nossas exportações de alimentos", disse Zelenskiy. "A questão aqui é claramente a vida de dezenas de milhões de pessoas."

Oito embarcações com produtos agrícolas devem passar pelo corredor na quinta-feira, disse o ministro da Infraestrutura ucraniano, Oleksandr Kubrakov, no Twitter.

Uma das consequências globais da guerra da Rússia contra o país vizinho tem sido a escassez de alimentos e a crise do custo de vida em muitos países.

O acordo de grãos visava ajudar a evitar a fome injetando mais trigo, óleo de girassol e fertilizantes nos mercados mundiais e aliviar um aumento dramático nos preços. O pacto tem o objetivo de atingir o nível pré-guerra de 5 milhões de toneladas métricas exportadas pela Ucrânia a cada mês.