Zelenskyy discursa face ao "G19"

Chegou "o momento em que a guerra destruidora da Rússia deve e pode ser parada": foi desta forma que o presidente ucraniano se dirigiu por videoconferência aos líderes do G20 reunidos em Bali, na Indonésia.

Uma cimeira que Volodymyr Zelenskyy chamou de "G19", apesar da presença do chefe da diplomacia russa no encontro.

Volodymyr Zelenskyy, presidente ucraniano: "Não daremos à Rússia a oportunidade de esperar, reconstruir forças e lançar uma nova vaga de terror e destabilização global. Tenho a certeza de que precisamos e podemos pôr fim a esta guerra destruidora da Rússia, de forma imediata."

Zelenskyy frisou que "não há qualquer desculpa para a chantagem nuclear" de Moscovo, pediu uma extensão por tempo indefinido do acordo de exportação de cereais ucranianos, que chega ao fim esta quarta-feira e fez também referência à catástrofe humanitária.

Volodymyr Zelenskyy, presidente ucraniano: "Não encontramos apoio do Comité Internacional da Cruz Vermelha. Não o vemos verdadeiramente comprometido com o acesso aos campos de prisioneiros onde estão ucranianos e presos políticos, nem nas buscas de ucranianos deportados. Esta autoeliminação é uma autodestruição da Cruz Vermelha como a organização que era antes respeitada. Não podemos esperar e devemos unir-nos num modelo único e realista para libertar os prisioneiros, trocá-los integralmente, e também libertar todas as crianças e adultos que foram deportados para a Rússia."

A invasão da Ucrânia não faz parte da agenda oficial do G20, mas domina o encontro, expondo as divisões entre os Ocidentais que apoiam Kiev e países, como a China, que recusam condenar o Kremlin, representado em Bali pelo chefe da diplomacia Sergei Lavrov.