ZONA ELEITORAL-Av. Atlântica, em Copacabana, será interditada por conta de atos do 7 de Setembro

Presidente Jair Bolsonaro

"Zona Eleitoral" é uma coluna de notas sobre as eleições gerais deste ano, produzida pelos jornalistas da Reuters no Brasil

6 Set (Reuters) - A Avenida Atlântica, em Copacabana, vai ser interditada ao trânsito na quarta-feira por conta de um ato político e das celebrações pelo Bicentenário da Independência do Brasil no Rio de Janeiro, informou a prefeitura, que normalmente deixa uma faixa liberada na orla da praia em dias de feriado.

O trecho que será interditado receberá simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro (PL) e eventos militares para celebrar o bicentenário.

Bolsonaro e outras autoridades são esperados em Copacabana na parte da tarde para acompanhar os festejos militares oficiais que terão salva de tiros, apresentações aéreas e navais, saltos de paraquedistas e bandas musicais. Depois disso, o presidente deve participar do ato em seu apoio.

BOLSONARO NA PARÓQUIA MILITAR

O presidente Jair Bolsonaro (PL), que tenta a reeleição, participou no início da tarde desta terça-feira de uma missa em uma paróquia militar em Brasília na véspera do feriado de 7 de Setembro, dia em que ele deverá prestigiar desfiles cívico-militares na capital do país e no Rio de Janeiro e ir a atos em defesa do governo.

Na Paróquia Militar de São Miguel Arcanjo e Santo Expedito, em Brasília, Bolsonaro, que é católico mas tem seguidamente ido a cultos e reuniões evangélicas de olho nesse eleitorado, acompanhou a celebração sentado na primeira fileira em frente do altar, ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro, evangélica, do seu candidato a vice, o general Braga Netto, e do ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

Outros integrantes do governo, como Paulo Guedes (Economia), Carlos França (Itamaraty) e Marcelo Queiroga (Saúde), estavam presentes. Durante a celebração, o padre pediu rezas pelo presidente e para ficar "longe de nós os perigos do comunismo". Bolsonaro, bastante tietado, comungou e recebeu uma oração especial dos presentes.

(Por Rodrigo Viga Gaier e Ricardo Brito)