ZONA ELEITORAL-TCU vai fiscalizar mais de 4 mil urnas eletrônicas no 1º turno

Urna eletrônica em Manaus

16 Set (Reuters) - Com o apoio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Tribunal de Contas da União (TCU) vai realizar testes amostrais em mais de 4 mil urnas eletrônicas no dia do primeiro turno da votação, em 2 de outubro, para aferir a integridade dos Boletins de Urnas (BUs).

Segundo comunicado do TCU, os auditores do tribunal vão aferir 4.161 urnas nas capitais dos Estados e no Distrito Federal para buscar as vias impressas dos BUs nas seções eleitorais e comparar a informação do documento físico com a disponibilizada pelo TSE na internet.

Em uma ação inédita, o TSE também aceitou uma sugestão feita pelas Forças Armadas e vai promover nesta eleição um projeto-piloto para realizar um teste de integridade em 56 urnas eletrônicas por meio da biometria.

JURISTAS INTERNACIONAIS

Um grupo de 15 juristas, filósofos e cientistas políticos internacionais encaminhou uma carta ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, questionando ataques da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em que o candidato à reeleição se refere ao ex-presidente como “criminoso” e “delinquente”.

No texto, os signatários ressaltam que ao fazê-lo Bolsonaro desrespeita decisões judiciais nacionais e internacionais que enterraram os processos contra o ex-presidente e que ele é hoje considerado inocente.

"A VERDADE"

A carta chega a Moraes no momento em que a campanha de Bolsonaro faz seu ataque mais pesado a Lula. Em vídeo apresentando na noite de quinta-feira em que diz que a população precisa saber “a verdade”, a campanha usa antigas reportagens de tevê para afirmar que Lula foi condenado por corrupção. Em outro vídeo da campanha de Bolsonaro, uma locutora diz que Lula mente ao afirmar que é inocente.

As acusações ao ex-presidente foram encerradas depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) concluir que o julgamento havia sido feito fora da vara adequada e de o juiz Sérgio Moro, que o julgou em primeira instância, ter sido considerado parcial.

DIFERENÇA MENOR EM MINAS

A vantagem de Lula sobre Bolsonaro no Estado de Minas Gerais caiu para 10 pontos percentuais, em relação aos 17 pontos registrados no levantamento feito pelo Datafolha entre 30 de agosto e 1 de setembro.

O petista passou para 43% (ante 47%) das intenções de voto no segundo maior colégio eleitoral do país, enquanto o candidato à reeleição foi a 33% (ante 30%). O Datafolha entrevistou 1.212 pessoas entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

No levantamento nacional, Lula tem 45% contra 33% de Bolsonaro --a margem de erro aqui é de 2 pontos percentuais.

VANTAGEM AUMENTA EM SÃO PAULO

Já em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, Lula ampliou sua vantagem para 10 pontos percentuais, em relação aos 5 pontos da sondagem anterior.

O ex-presidente foi a 43% (ante 40%), enquanto Bolsonaro oscilou para 33% (ante 35%). O Datafolha entrevistou 1.808 pessoas e a margem de erro é de 2 pontos percentuais.

ESTABILIDADE NO RIO

No terceiro maior colégio eleitoral, a disputa se manteve estável.

Lula oscilou para 44% (ante 42%), enquanto Bolsonaro repetiu os mesmos 36% do levantamento anterior. O Datafolha entrevistou 1.202 pessoas e a margem de erro é de 3 pontos percentuais.

(Por Lisandra Paraguassu, Ricardo Brito e Alexandre Caverni)