ZONA ELEITORAL-Padre Kelmon faz dobradinha com Bolsonaro em debate da Globo

29 Set (Reuters) - O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) aproveitou uma pergunta do candidato petebista Padre Kelmon no debate da TV Globo para defender as ações sociais do governo --em especial o Auxílio Brasil turbinado-- e atacar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), chamando-o de "chefe de uma grande quadrilha" em seu governo. Kelmon é do partido de Roberto Jefferson, aliado de Bolsonaro.

Em sua resposta, o presidente afirmou que no governo petista havia uma "cleptocracia". Após esse ataque, o início do debate virou um festival de direitos de resposta em que o candidato à reeleição e Lula atacaram duramente um ao outro.

PARCIALIDADE

O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) chegou ao debate da TV Globo, na noite desta quinta-feira, acompanhado do filho Carlos e atacou a emissora ao ser perguntado qual era sua expectativa. “Eu espero parcialidade de parte da Globo, apenas isso. Como demonstrou no debate com William Bonner, que absolveu Lula de toda roubalheira”, disse.

Bolsonaro se referia à sabatina da emissora com os candidatos presidenciais, onde o apresentar William Bonner, ao entrevistar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), começou a entrevista lembrando que ele não devia mais nada à Justiça. Os processos contra Lula foram arquivados depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou o juiz Sergio Moro, que o julgou, suspeito.

Além do filho Carlos, Bolsonaro chegou ao local acompanhado do chefe de comunicação da campanha, Fabio Wajngarten, e de seu ajudante de ordens, o tenente-coronel Mauro Cid.

"TUDO RESOLVIDO"

Lula chegou ao estúdio da Globo onde será realizado o debate reforçando sua experiência em eventos desse tipo ao longo da carreira política, ao afirmar que sua expectativa é que “seja mais um, como tantos outros que já fizemos.”

Ao conversar com jornalistas na chegada à emissora, o ex-presidente aproveitou para pedir que os eleitores compareçam às urnas no próximo domingo e demonstrou confiança na possibilidade de vencer no primeiro turno.

“A expectativa de que a gente consiga convencer a sociedade brasileira da importância do voto, que ela compareça e a gente a convence a comparecer no dia 2. E a gente espera que, em comparecendo, na hora de digitar o número digite o 13 e está tudo resolvido”, disse.

A possibilidade de a disputa pela Presidência ser definida já no primeiro turno segue indefinida, com Lula somando 50% dos votos válidos, contra 36% de Bolsonaro, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta.

(Por Lisandra Paraguassu e Ricardo Brito; Edição de Pedro Fonseca e Flávia Marreiro)